quarta-feira, 29 de outubro de 2008

VIÚVA DE FREIRE ESCREVE CARTA DE REPÚDIO A VEJA

Por Redação - contato@fazendomedia.com





Ana Maria Araújo Freire, viúva do educador Paulo Freire, divulgou carta aberta enviada à revista Veja. Trata-se de um repúdio à reportagem "O que estão ensinando a ele?", que com uma linguagem rasteira ataca a vida e a obra de Paulo Freire, criador de um método de ensino que leva o cidadão à reflexão crítica.Mais uma obra de pseudo-jornalismo da revista da editora Abril:

“Para satisfazer parte da elite inescrupulosa e de uma classe média brasileira medíocre que tem a Veja como seu 'Norte' e 'Bíblia', esta matéria revela quase tão somente temerem as idéias de um homem humilde, que conheceu a fome dos nordestinos, e que na sua altivez e dignidade restaurou a esperança no Brasil”.Leia abaixo a íntegra da carta:Na edição de 20 de agosto a revista Veja publicou a reportagem “O que estão ensinando a ele?” De autoria de Monica Weinberg e Camila Pereira, foi baseada em pesquisa sobre qualidade do ensino no Brasil.

Lá pelas tantas há o seguinte trecho: “Muitos professores brasileiros se encantam com personagens que em classe mereceriam um tratamento mais crítico, como o guerrilheiro argentino Che Guevara, que na pesquisa aparece com 86% de citações positivas, 14% de neutras e zero, nenhum ponto negativo. Ou idolatram personagens arcanos sem contribuição efetiva à civilização ocidental, como o educador Paulo Freire, autor de um método de doutrinação esquerdista disfarçado de alfabetização. Entre os professores ouvidos na pesquisa, Freire goleia o físico teórico alemão Albert Einstein, talvez o maior gênio da história da humanidade. Paulo Freire 29 x 6 Einstein.

Só isso já seria evidência suficiente de que se está diante de uma distorção gigantesca das prioridades educacionais dos senhores docentes, de uma deformação no espaço-tempo tão poderosa, que talvez ajude a explicar o fato de eles viverem no passado".Curiosamente, entre os especialistas consultados está o filósofo Roberto Romano, professor da Unicamp. Ele é o autor de um artigo publicado na Folha, em 1990, cujo título é “Ceausescu no Ibirapuera”. Sem citar o Paulo Freire, ele fala do Paulo Freire. É uma tática de agredir sem assumir. Na época Paulo, era secretário de Educação da prefeita Luiza Erundina. Diante disso a viúva de Paulo Freire, Nita, escreveu a seguinte carta de repúdio:"Como educadora, historiadora, ex-professora da PUC e da Cátedra Paulo Freire e viúva do maior educador brasileiro PAULO FREIRE -- e um dos maiores de toda a história da humanidade --, quero registrar minha mais profunda indignação e repúdio ao tipo de jornalismo, que, a cada semana a revista VEJA oferece às pessoas ingênuas ou mal intencionadas de nosso país. Não a leio por princípio, mas ouço comentários sobre sua postura danosa através do jornalismo crítico. Não proclama sua opção em favor dos poderosos e endinheirados da direita, mas, camufladamente, age em nome do reacionarismo desta".

Leia a reportagem na íntegra AQUI

3 comentários:

Vírgula Antenada disse...

Eita saudade!
Vc, como sempre, mais antenada que eu, rsrsrsrsrsr.
Beijos!

Thales Estefani disse...

Pois é, ouvi comentários sobre esta reportagem, mas não li, pois não leio a Veja. Geralmente esse tipo de conteúdo jornalístico eu acompanho pela TV. Só q no final acaba sendo mais perigosos acompanhar pela TV, um meio direcionado á população mais humilde, recheado de influências destinadas a essa! Q o digam Fátima e William!
Estava com saudade d bloguear, tinha sumido a mó tempo, mas agora eu acho q to d volta...eu axo!
té mais!

I want it all ~ disse...

Uaau *-*

Amei o blog, viu? :DD

Gostei MEEESMO :))