domingo, 27 de julho de 2008


Olho sêco.

Lupa mole, malefício
Olho doente
Não dá pra ofício
Em mazelas minhas vistas
vão pro precipício.

Angel Ilanah

7 comentários:

jonas-16 disse...

De que serve o olhos e não o ofício de sentir? tanto o olho da cara quando o do cú.

Linda poesia ^^

Maíra Charken disse...

Corre pro oftalmo!

www.mairaempalavras.blogspot.com

Etiene Rocha disse...

Triste.
Senti tristeza. O olho talvez seja a parte mais delicada do ser humano.

http://www.aprendizdecinema.blogger.com.br/

Gabriel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriel disse...

O olho exise para poucos, a maioria da população é cega e não percebe... De que vale ver cores, se não sabe a quintessencia do arco-iris?

Poesia curta, porém expressiva, diz tudo em poucas palavras, em nada.

Blog variado, parabéns.

Evoé!

p.s: fiquei meio "cego" por aqui e apaguei 2 comentarios, justamente por ter embaralhado as letras da minha própria escrita. rs

Puta que pariu! na verdade 3